O Atual Momento do Mercado da Folheteria

Tempo de leitura: 8 minutos

Como trabalhar sua distribuição de folhetos seguindo todas as recomendações da OMS?
No vídeo abaixo falamos tudo!

Aproveite e veja também os artigos abaixo:


A ideia de hoje é falarmos sobre o atual momento do mercado da folheteria, penso que temos condições de apresentar alguns números para vocês, pra quem acompanha nosso blog saber como está o mercado da folheteria, nesse momento nós temos feito algumas pesquisas sobre o mercado do Brasil e o mercado europeu, então nós podemos contribuir com informações de como o mercado se encontra, podemos começar falando da nossa pesquisa.

Nós temos no nosso grupo ( www.grupostill.com ) uma empresa de inteligência e a nossa equipe fez uma pesquisa com oito estados brasileiros para saber se já foi retomado o mercado da folheteria, se a distribuição de folhetos tinha sido retomada, porque no inicio da pandemia realmente baixou em muitas regiões, num outro momento nós demos esse número e agora nós fizemos uma nova pesquisa para entender esse cenário e aí dentre oito estados que nós conversamos com essa galera que faz a distribuição de mídia impressa, nós tivemos 81% afirmando que sim fazem distribuição de folhetos, 19% disseram que não estão fazendo operação por enquanto, essas pesquisas são feitas com supermercadistas que no Brasil são os principais divulgadores de mídia impressa e temos também o número do estado de São Paulo que é um pouco menor do que a média dos estados pesquisados, no estado de São Paulo 75% disseram que estão fazendo folheteria, 21% disseram que não estão fazendo e 4% não souberam informar.

Isso mostra que o mercado da folheteria voltou a ter sua retomada, voltou a fazer propaganda usando esse canal de marketing também, então apesar de ainda estarmos no meio de uma pandemia, ainda temos que tomar muito cuidado as coisas vão tomando o seu caminho, vão voltando ao normal, algumas pessoas falaram muitas coisas em relação a folheteria e essas coisas nós temos a obrigação de esclarecer, como o fato da proibição da folheteria e vários pontos que podemos discutir aqui também.

A proibição um pouco antes da pandemia já se estava falando disso, se você pesquisar no (Google) sobre distribuição de folhetos organicamente ele ranqueia muito um vídeo com uma matéria do G1 falando sobre proibição de folhetos e foi vinculado em vários outros canais como a proibição de folhetos em São Paulo, mas, na verdade, nós temos no nosso blog uma entrevista que foi feita com o pessoal da prefeitura de São Paulo para esclarecer direitinho, depois deem uma olhadinha lá, mas o folheto porta-a-porta pode ser distribuído normalmente.

É Importante nós ressaltarmos aqui porque alguns não voltaram a fazer folheteria porque acreditaram que o folheto não poderia mais ser distribuído em São Paulo e teve outros que também estavam com medo do contágio, é muito importante esclarecer sobre o contágio porque para nós também era novo, pegou todos nós de surpresa e com isso entender o que aconteceria com nosso mercado, nós pegamos um artigo científico do The New England Journal of Medicine que é um jornal de artigos científicos muito conhecido da Europa e eles estudaram o contágio do coronavírus com relação á vários tipos de superfície como plástico, papelão, papel, enfim, e o papel teve um indicie de sobrevivência do coronavírus muito pequeno, bem próximo de zero, pra vocês terem uma ideia não tem nenhum histórico no mundo inteiro de contágio do coronavírus através do papel e isso naquela época era muito difícil para nós conseguirmos informar, e o The New England Journal of Medicine já fez o artigo científico, estudou sobre o material, e é importante ressaltar que foi aprovado pela OMS. Então por medo não tem necessidade nenhuma de impedir o acesso ao material impresso.

Para finalizar o que podemos falar é que não temos histórico de contágio de folhetos e o folheto não está proibido na cidade de São Paulo, em algumas cidades sim, a gente ouviu falar que estava proibida a distribuição de folhetos e essa proibição nessas cidades é em relação ao contágio, ou seja, o que fez a proibição acontecer não tem absolutamente nada a ver porque o próprio artigo científico já diz que o contágio por material impresso é praticamente inexistente, pegando uma dica do meu amigo Roberto a própria tinta do material ela inibe a sobrevivência do vírus, a exposição ao ar também repele o vírus, e ainda com todo cuidado que nós temos quando nós fazemos o manuseio desse material, o pessoal faz a higienização correta, usam máscaras e luvas, com tudo isso vai dimuindo cada vez mais a sobrevivência do vírus no papel, ou seja, pessoal não seja por isso que você não irá trabalhar com mídia impressa, não é por causa da doença que iremos deixar de trabalhar com isso, se for por estratégia está ok, mas não por causa de contágio, e nós entendemos que a mídia impressa, o folheto, pode dar muito resultado para você, porque a gente pesquisa em outros mercados qual a capacidade ainda de impactar o cliente pela mídia impressa.

Voltando aos números nós entendemos no estudo que tivemos acesso do Reino Unido justamente a relevância da mídia impressa la no Reino Unido, nós vimos, por exemplo, que há quatro anos 80% daquelas pessoas impactadas pela mídia impressa ainda continuam fiéis às marcas, contrário a mídia da televisão, da mídia online que são menos de 60%.

Entendendo que o LTV que é o tempo de vida do cliente dentro do seu negócio, do seu serviço, enfim,ele é maior em relação com a mídia impressa do que com a televisão e com a mídia online, olha que coisa impressionante, são números que nós não temos, por isso nós ainda acreditamos que a mídia impressa ainda tem o seu papel, não dizendo que a mídia online não deva existir, muito pelo contrário é uma avalanche que não da para controlar e ela tem sim o seu valor, nós também temos serviços ligados ao mundo online, ao marketing digital, mas a folheteria de modo geral tem ainda muito o seu espaço.De acordo com o estudo do Reino Unido a mídia impressa é 20% maior que a mídia online e de televisão, ou seja, mostra uma grande relevância e a mídia impressa trazendo ainda grandes resultados para quem ainda usa esse tipo de canal para divulgar as suas ofertas.

Querendo ou não a Europa ainda está num período mais a frente que o nosso mercado, por exemplo, na lei geral de proteção de dados, o marketing digital está sendo muito impactado na Europa da maneira que nós temos que tratar os dados dos nossos clientes, aqui no Brasil a lei está valendo desde o dia 18 de setembro que é a LGPD que é um modelo baseado no moledo europeu e mostra o quanto nós vamos ter que aprender com esse mercado de marketing digital, de como devemos utilizar esses dados de forma correta para que a gente seja impactado em não deixar de cumprir essa lei, vamos precisar ter muito cuidado com isso. A lei europeia que o Brasil usou como base é que o cliente dá a permissão para você usar os dados dele de alguma forma, ou seja, na divulgação dos dados você capta os dados do cliente através de um cadastro, o cliente tem que dar permissão, ou seja, o jurídico já está trabalhando nisso, nós da Still já estamos trabalhando nisso porque nós trabalhamos, por exemplo, em alguns casos da mala direta, que nós trabalhamos com os dados mais sensíveis, porém a grande sacada aqui é a distribuição porta-a-porta, e a saturação.a saturação não é impactada pela lei LGPD porque nós não lidamos com os dados sensíveis do cliente, são dados censitários, são dados públicos, então a distribuição porta-a-porta ainda vai ter um espaço de acordo com LGPD, apesar que nós vamos ficar um ano sem punição, até agosto de 2021 não haverá punição usando a LGPD, mas logo nós vamos ter que se adequar a essa lei, e acho que a folheteria porta-a-porta vai ter seu espaço para fazer isso. Aproveite e conheça a Still Distribuidora que segue todos os protocolos de segurança do mercado. www.stilldistribuidora.com.br

ATÉ A PRÓXIMA!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *